Relação de namoro adulto

relacionamento abusivo?

2020.09.22 03:06 ventonolitoral relacionamento abusivo?

eu acho que tô num relacionamento abusivo eu e a minha "namorada" estávamos juntos a uns 9 meses,estava indo tudo bem ou pelo menos achava que estava de uns 2 meses pra cá ela vinha agindo estranho,as vezes me ignorava na cara dura e mentia sempre sobre as coisas até aí "ok" (é meu primeiro namoro, então eu não sabia muito bem como reagir a essas coisas) de um mês pra cá tudo piorou, ela chegou dizendo que queria terminar do nada e eu fiquei meio ???? mas aceitei porque achava que seria melhor 3 dias depois voltamos e ficamos assim até esse sábado quando ela me disse que queria algo a mais,que não estava pronta pra ter algo sério comigo mesmo depois de 9 meses,disse que eu me apeguei muito rápido e isso fez mal pra nossa relação e no final terminou,dizendo que ela nunca quis que isso tomasse toda essa proporção mas eu ainda tô falando com ela e mesmo antes, ela nunca era uma pessoa que ligava muito para o que eu sentia eu sou muito sentimental,romântico e ela é muito fria, não demonstra sentimentos tão fácil assim e eu sempre fiquei mal com isso. toda minha família conhece ela e gosta, principalmente meu pai mas eu sequer conheço os pais dela,no maximo o irmão dela e uma prima bem distante. mas eu nunca quis terminar,eu gosto bastante dela(talvez ame) e eu não conseguia falar isso e desde que terminamos eu me sinto completamente vazio e sem esperança pra nada porque eu só tinha ela mesmo,agora não tenho nada ela ainda diz que podemos voltar mas ela precisa de um tempo e eu fico na expectativa toda vez,e desde sábado ela vem falando pouco ou quase nada comigo também,como se estivesse me evitando. eu não sei o que fazer,eu sei que não consigo cortar relações e gostaria de resolver as coisas como os adultos que somos,mas não sei se vale a pena depois de tudo que passei tenho medo de ficar traumatizado
submitted by ventonolitoral to desabafos [link] [comments]


2020.09.07 08:06 arrux1 Eu estou exagerando ou sendo c*zona? Pessoa morando com a família sem consentimento de todos

A minha vida quase toda morei com meus irmãos e minha mãe na casa dela (onde estou atualmente). Porém, em 2016 mudei-me para o Rio de Janeiro por conta da faculdade e fiquei voltando a minha cidade natal apenas nas férias. Com a pandemia consegui homeoffice do estágio e EAD e regressei a casa da minha mãe em março pois achei que seria uma boa ideia ficar mais próximo da minha família nesse momento (risos) e estou temporariamente aqui até agora...
Meu irmão mais velho arranjou uma namorada (eles namoram + ou - a 2 anos) que é sócia de trabalho dele. No inicio do relacionamento ela aparecia de vez em quando aqui em casa, e quanto mais a produção do trabalho deles aumentava mais a frequência dela por aqui tb aumentava. Eu nunca tive problemas com a presença dela antes, até pq passava a maior parte do meu tempo no Rio. Porém, no terceiro mês que regressei a casa da minha mãe, em meados de junho, comecei a achar estranho o fato que ela ficava 24/7 aqui em casa, comia, dormia, ia pro trabalho, voltava e ficava direto por aqui.. porém relevei por questão da pandemia... era compreensível. Meu irmão do meio começou a ficar um pouco incomodado com isso tb pq jamais em nossas vidas trouxemos parceiros para passar tanto tempo nessa casa (até pq no passado, nossa mãe nunca permitiu) e segundo ele, essa situação já estava acontecendo bem antes da pandemia (meu irmão do meio também tem namorada atualmente e ela só apareceu por aqui nesse período algumas poucas vezes). Para além dessa situação, eu não me sinto muito confortável quando pessoas que não são do convívio diário passam muito tempo no lugar onde moro interruptamente, sinto que é uma invasão de privacidade (isso acontece também no meu apartamento do Rio com visitas que ficam mt tempo as vezes, mas converso com minha house mates e sempre resolvemos as situações numa boa - moramos a 4 anos juntas).
O tempo foi passando, eles começaram a comprar uma cama nova, microondas... até que minha mãe hoje confessou pra mim que achava que a menina tinha entregado o apartamento dela e estava morando aqui em casa (ela faz univ fora e n tem família aqui). A questão é: quando eu ouvi isso, eu fiquei muito puta!
Cara eu achei um absurdo a situação. Como é que uma pessoa se muda pra casa que eu morei minha vida quase toda e não conversa com ninguém? Tipo, eu entendo que estamos numa pandemia, ok, mas a menina se mudou sem previsão nenhuma de volta e não falou nada sobre isso. Como é que alguém vai comendo pelas beiradas e do nada PUFF se muda pra sua casa? Eu achei bizarro pra crl sendo que nem noivos eles são nem nada, é um namoro de 2 fucking anos.
Eu me senti desrespeitada pois não fui consultada e dividi isso com minha mãe. Falei que não gostei da forma que as coisas foram feitas, como é que se mudam pra uma casa com uma família morando e não consultam os moradores? Ela me respondeu que achava que eles iam casar em breve pq "a menina queria muito" e como mãe, queria dar o apoio nesse momento.
A menina não conversou nada com minha mãe que ia se mudar pra lá e aparentemente ela não ta ligando muito pra isso... Porém minha mãe ficou chateada pq eu fiquei afetada. Mas eu não acho que estou errada... enfim, de qualquer forma já estou vendo passagens para regressar ao Rio no próximo mês pois meu trabalho vai voltar presencial em breve, mas está me preocupando o fato dessa situação se alargar por muito tempo... tenho medo de ter que voltar pra essa casa por questões financeiras no futuro (vou fazer de tudo para que não) e ter que conviver com mais uma pessoa que não escolhi (como se não já bastasse a relação conturbada com meus familiares). Eu jamais me mudaria pra casa dos pais de um namorado sem conversar com a família dele antes nem traria pra morar comigo assim sem mais nem menos. Enfim, vocês acham que eu estou exagerando? É legítima minha indignação?
Nota: Meu irmão mais velho já teve relacionamentos muito mais duradouros no passado de 5, 6 e 8 anos e isso NUNCA rolou antes, nunca tive esse problema com nenhuma delas. Nem com namorados meus ou namoradas do meu irmão do meio.
Nota2: Aparentemente essa menina quer muito casar com ele e eles se dão bem, mas não sei se meu irmão quer...
Nota3: Todos os moradores da casa são adultos maiores de idade.
submitted by arrux1 to desabafos [link] [comments]


2020.06.07 16:18 AYUmiMotohiro O namorado que me destruiu

Bom a seguir temos uma história minha bah.
Sub Título: Namoro abusivo, ou não.
Bom tudo começou quando conheci um garoto por um grupo de amigos, naquele dia começamos a conversar e trocar mensagens, realmente estávamos tendo uma amizade muito saudável, com o passar do tempo fomos nos aproximando muito, até que um dia começamos a namorar seriamente, no começo era tudo lindo e perfeito, trocamos carícias e apelidos fofos, ele se mostrava ser muito ciumento em relação aos meus amigos mas eu não me importava muito pois, achava aquilo normal (quem nunca sentiu um ciúminho kkkk) bom, o tempo foi passando e ele começou a mudar a maneira que ele se portava, ele brigava comigo por causas bobas, achava que sempre tinha razão (passei muitas noites chorando por essas coisas), ele fez eu me afastar de vários amigos e até mesmo amigas por ciúmes dele, ele queria atenção 24 horas por dia, as vezes também, ele brigava comigo de uma totalmente insensível e me fazia sentir culpada por todas as coisas, sendo que a maioria das vezes a culpa n era minha, eu toda boba gostava dele e continuava o namoro até que chegou no ponto de não aguentar mais e terminar com tudo, nesse dia do término ele falou que eu era uma pessoa horrível e só fazia mal pra ele, me chingou dos piores nomes possiveis, e eu apenas ignorei não querendo arrumar briga pois, já estava muito mal com o término, meses se passaram e ele torna a meandar mensagem pelo Facebook me chingando novamente e dizendo que estraguei a vida dele, eu apenas ignorava pós não queria voltar no passado e viver tudo aquilo de novo (obs: depois do ocorrido estava muito mal minha tia me levou ao psiquiatra e tive que aumentar a dose do remédio que eu já tomava) depois de algumas semanas eu desinstalei o Facebook, pois queria cortar todo o tipo de contato com ele, depois de alguns dias um amigo me mandou um print de um suposto perfil no Facebook que estava falando muitas merdas e postando conteúdos como nudes, fui ver o pefil, era um perfil fake que ele havia criado, ele se passava por mim e agredia verbalmente as pessoas e até mesmo meus amigos fingindo ser eu(perdi várias amizades com isso) ele também fazia publicações dizendo que apoiava aborto e estupro e postava pronta de fóruns de pedófilos, ele chegou a divulgar meu número em chats para adultos, se passando por mim claro, recebia várias mensagens de caras nojentos de todas as idades que chegavam mandando foto do biru bilu bilu, falei com minha tia sobre e ela foi comigo até a delegacia da minha cidade, onde registramos um boletim de ocorrência contra o mesmo,hoje não tenho mais contato com ele, mas ainda tenho alguns surtos psicológicos e recaídas por conta disso, pois fui exposta e julgada por várias pessoas por estar fazendo algo que nem era eu que estava fazendo.
É isto bjos gente <3
submitted by AYUmiMotohiro to desabafos [link] [comments]


2020.06.02 06:45 ValBSJr Em meio a tanto caos, algo diferente.

Vi tantas pessoas falando aqui que não estão sendo produtivas, não estão contentes com o rumo que a vida tomou....em fim...tenho duas coisas a dizer
1- A culpa de vc chegar onde chegou é sua sim.
2- Ainda dá tempo de mudar.
Sempre fui um procrastinador de carteirinha, com tudo....trabalho...saúde...família...Então um dia de domingo depois de acordar com uma ressaca acumulada de 3 dias (que ressaca viu amigos) eu simplesmente vegetei o dia inteiro na cama...passei o restante do dia inteiro deitado olhando pro teto, não pensava em nada...não queria fazer nada. No dia seguinte, decidi que não queria mais aquilo em minha vida. Minha vida se resumia a matar aula da faculdade pra ir beber (meu curso era integral imagina o tempo que eu passava no bar) sair pra comer e ficar em casa online. Eu estava a 7 anos em uma faculdade, estagnado, obesidade grau 3 e o pior de todos em minha opinião era a solidão que era culpa minha msm, que me isolava das pessoas.
Então amigo agora falo da soluça milagrosa que chama-se: atitude. Acredite em mim, é o que faz toda a diferença. Muitas pessoas querem ajudar, mais isso não pode acontecer se vc não se ajudar primeiro. O que me dá perícia pra falar disso é minha própria experiência e mais nada. Primeiro larguei a faculdade e vario maus hábitos. Em seguida arrumei um emprego. Demorou bastante a acostumar com a vida de adulto mais consegui. Trabalhando duro pra melhorar o salário não me sobrava muito tempo pra sair pra beber, então meu lazer se resumia a comer e jogar nos finais de semana. Com o tempo comecei a participar mais das reuniões de família e foi ótimo pois foi bem na época que a empresa a qual eu trabalhava me deu a oportunidade de estudar novamente. E eu aproveitei...só que dessa vez com mais maturidade.
Então nessa época minha vida estava da seguinte forma: trabalhava 44hrs por semana, de segunda a sábado, e cursava contabilidade no período noturno. Nós finais de semana passava tempo com a família. Estando na posição de aluno que trabalha vc enxerga tudo de outro jeito, descobre que é mais barato prestar atenção na aula pra não ter que assistir vídeo aula em casa até porque eu não tinha tempo pra isso...descobre tbm que quando se trabalha os happy hours depois da aula custam mais caro pra vc que pra os colegas que acordam 10hrs da manhã e pode escolher se toma café ou espera o almoço. Ate aqui tinha saído de universitário, fodido para pagador de funcionário, bolsista da empresa e pagador de impostos....bom né? Ao me aproximar da família novamente tbm ajudo na solidão...só que não em tudo. Aí vem outra grande mudança.
Conheci a pessoa que foi a razão de eu querer crescer mais ainda...minha noiva. Conheci ela através de amigo da faculdade uma das poucas vezes que participei das reuniões depois da aula. Eu achava que minha vida era complicada...mais a dela... um resumo...ela tinha perdido a mãe a poucos meses, era brigada como resto da família, era bolsista do fies e desempregada. Quanto mais eu conhecia ela mais eu queria crescer, pra dar tudo que ela precisava...amor...carinho...apoio...amizade...conselhos....tudo msm. E consegui, em pouquíssimo tempo nossa relação ficou íntima e sólida. E ao lado dela dei outro grande passo que foi sair de casa pra morar com ela...como dizia minha avó...juntei as escovas de dentes. Então...trabalhei por 3 anos até ter a oportunidade de estudar novamente. No meio da faculdade conheci minha noiva e após 1 de namoro resolvemos morar juntos. Ficou faltando eu cuidar da saúde né, então aqui vai como procedeu essa parte.
No último semestre de faculdade eu fazia alguns trabalhos externos para a empresa que me agregavam horas extras para concluir a graduação e em um desses trabalhos tive um desmaio repentino, estava sozinho e acordei caído ao chão sem ter a menor noção de como havia caído nem quanto tempo fiquei desacordado. No dia seguinte fui ao médico fazer exames...clínico geral...cardiologista, endrocrino...neuro....acabei descobrindo que tive um pré-infarto causado pelo sedentarismo e principalmente pelo sobrepeso. Eu tinha 30 anos, 1,74 e pesava 120kgs. Aí veio outra mudança...fui a nutricionista e me matriculei em uma academia...e aos poucos fui adquirindo hábitos mais saudáveis.
Hoje, aos 33 anos, peso 92kgs (talvez 95 desde que começou a 40tena) ainda trabalho 44 hrs por semana me exercito de 4 a 5 vezes por semana 2 vezes por dia. Tive muitas recaídas...furei dieta...passei muito tempo sem perder peso...engordei algumas vezes...mais tudo isso faz parte da experiencia.
Por isso que quando falei que a culpa é sua...eu enxerguei a minha culpa primeiro....e a vitória foi minha...claro, tiveram pessoas ao meu meu lada, mais eu que permiti elas estarem ali então a vitória ainda assim foi minha. E pode ser sua também, basta vc querer. Não comece a dieta na segunda, não deixe pra ler o livro antes de dormir ou quando for a algum lugar onde não tem internet. Comece a ser a melhor versão de você. Se eu consegui vc também consegue.
Ficou BEM longo...espero que tenham gostado.
submitted by ValBSJr to desabafos [link] [comments]


2019.06.10 06:30 lcsmrs6 Sou um incel, mesmo que não concorde com as ideias difundidas por eles, como a misoginia?

Estou perto de completar 20 anos e ainda não tive relações sexuais. Quer dizer, se formos considerar relação sexual como a penetração - o que ela é, de fato - ainda sou. Embora já tenha tido uma tentativa não concluída. Aos 12, fui para a cama com uma garota... eu tinha doze; e ela, treze. Enfim, tentamos praticar o ato, mas não chegamos ao fim porque minha mãe estava ao lado e estávamos com medo de sermos pegados ("pegos") com a boca na botija. De lá pra cá já rolaram alguns "pegas", sim. O último foi há bastante tempo, em 2015. Eu tinha quinze anos e fiquei com a minha vizinha. Mas nada de sexo, só beijos. O que aconteceu comigo foi que, em 2016, apaixonei-me perdidamente por uma garota, a qual fazia ensino médio comigo, a ponto de ficar sempre imobilizado ao vê-la, sem agir. Eu era muito, digamos, besta. Declarei-me para ela... não cheguei a dizer que a amava, pois penso que isso deve ser usado com muita seriedade, mas perguntei se havia possibilidade de rolar algo entre nós dois. A resposta foi "sim". Fiquei felicíssimo, mas o problema é que a partir daí não consegui fazer mais nada, não sabia como agir (e acho que sempre ajo assim quando gosto muito da pessoa). Eu simplesmente não sabia o que fazer diante da felicidade em saber que a possibilidade de rolar algo entre nós dois era real, segundo ela, mas não agi. Um mês depois, ela estava namorando com um colega de classe. Eu já disse que gostava muito dessa garota? Eu, na verdade, acho que a amava (ou talvez ainda o faça), embora nunca tenha dito isso a ela. Mas, sabendo desse namoro, a única coisa que eu sentia era tristeza profunda - melancolia. Ainda fui atrás, tentei bancar o durão e discutir, mas nos desentendemos e ela me humilhou (talvez com razão), o que só contribui com o agravamento do meu estado emocional. Isso já faz três ou quase quatro anos, mas ainda me balança... tive de passar o resto do ensino médio, que acabou recentemente, vendo, com outro, a garota que já mais gostei.
E se aproximando mais do título do tópico, quero dizer: faz muito tempo que não me relaciono com ninguém, simplesmente porque não tenho o mínimo de autoestima pra achar que alguém vá se interessar por mim, estou com com medo de morrer só (visto que estou quase completando 20, adulto), sem me relacionar com alguém. É um círculo vicioso: entristeço-me por não achar que alguém vá se interessar por mim, trancando-me em casa e não "querendo" conhecer ninguém. Só queria saber se, na opinião de vocês, sou um celibatório involutário. Isso é muito triste.
submitted by lcsmrs6 to desabafos [link] [comments]


2017.12.15 15:42 jecagado [Leitura Obrigatória] Resolvi fazer um textão.

Hoje em dia me sinto incapaz.
Não é zoera nem nada do tipo, é que ... Eu lembro que aos meus 8/9 anos de idade, eu já sabia fazer muita coisa em que as pessoas diziam que eu não era capaz.
Jurista americano defende que o regime nazista impediu que os cidadãos se armassem, e que essa medida facilitou a perseguição aos judeus
E apoia sua posição em uma pesquisa que comprova: o governo alemão de Adolf Hitler temia ações populares e fez de tudo para desarmar potenciais adversários do regime, ou pessoas que o Terceiro Reich pretendia perseguir. Ele é um dos mais importantes defensores, nos Estados Unidos, da Associação Nacional de Rifles (NRA, na sigla em inglês), e já advogou, dentro do Congresso americano, a favor do argumento de que a posse de armas é um direito de todo cidadão – afirma isso com base na Segunda Emenda da Constituição do país, que diz: “Sendo necessária à segurança de um Estado livre a existência de uma milícia bem organizada, o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser infringido”.
Sempre tive um bom conhecimento em informática pra minha idade, aos 13 anos eu já conseguia fazer muita coisa com o PC, que muito marmanjo nem sonhava. Eu parecia aprender com muito mais facilidade na infância, hoje as coisas se tornaram um pouco mais difícil. Essa semana eu fui em uma convenção dessas 'nerds' que acontecem por ai, e vi muitas crianças agindo feito adultas. Vi alguns casais homo afetivos, onde a mulecada não aparentava ter mais do que 14 anos (absolutamente nada contra). O que eu quero dizer é que, a falta de contato com o mundo (isso na época onde eu vivi a minha infância/adolescência), me fez acreditar que eu era incapaz de fazer o que eu queria, mesmo eu sendo completamente capaz, entendem ? (e não eu não estou falando de dar o brioco UAHUAH) Lembro que queria fazer um curso de Técnico em informática aos 12/13 anos de idade, ouvi: "Não, você é muito novo pra essas coisas!" Aos 15 quis entrar pra uma academia; "Não seu corpo ainda não está formado ainda!" Aos 16 obtive meu emprego, fiquei MUITO FELIZ, 6 meses depois: "Não, você não precisa trabalhar agora, vai estudar!" (fui obrigado a largar o emprego por escolha dos meus pais) Hoje eu estava avulso no Youtube, e vi um video de uma garota "rebelde" por nome de Danielle Bregoli, conhecida como Bhad Bhabie, uma "trapper" americana de 14 anos, que viralizou ano passado no Youtube, chamando não só a platéia, como a mãe pra briga no meio de um palco de um programa televisivo (desses tipo a "Super Nanni") Após viralizar, ela ganhou muitos seguidores no Instagram, e aproveitando a "fama" repentina, ela resolveu lançar algumas musicas no youtube, e alguns de seus videos (desse ano) chegaram a marca de 52 milhões de vizualizações. Tudo isso com 14 anos de idade. Isso me fez pensar que, o contato com o mundo através da internet, faz a criança /adolescente crer que ele é mesmo capaz de fazer certas coisas as quais os adultos ao seu redor, estão a todo momento os limitando. Toda aquela proteção criada em torno das pessoas com seus respectivos filhos, são mesmo necessárias ? Por que não apresentar o mundo logo para as crianças, ao invés de criar toda uma blindagem a cerca da criança ? Digo ... Eu tenho 23 anos de idade, e eu juro pra vocês que eu estou tendo contato com as pessoas /mundo nessa época da minha vida, eu to começando a entender o que é a vida. As vezes eu me sinto como um adolescente de 15 anos idade de hoje em dia.
Mas a obra também descreve e analisa a legislação alemã, desde o fim da Primeira Guerra Mundial até o auge do Terceiro Reich, que aprovou uma lei de 1938 formalizando a caça a qualquer cidadão que ainda tivesse armas. Nos idos de dezembro de 1922, eu havia conseguido estocar, fora de Munique, quinze metralhadoras Maxim, mais de duzentas granadas de mão, 175 rifles em perfeito estado e milhares de cartuchos de munição”. “No entanto, quantas histórias individuais poderiam ter sido escritas de outro modo?” Afinal, ele afirma em eu livro, “os próprios nazistas viam os judeus armados como suficientemente perigosos para minar sua estratégia de desarmá-los.” Leia a entrevista com o jurista Stephen Halbrook É possível comparar a política de controle de armas do Terceiro Reich com as regras adotadas nos países democráticos do século 21? Manter registros é uma política similar à realizada na Alemanha nos anos 1920, e os nazistas se aproveitaram dessas listas em 1933, quando chegaram ao poder. Nos séculos 19 e 20, o país manteve uma milícia armada, e todos os seus membros – cidadãos civis livres – precisavam manter armas em casa e estar prontos para se mobilizar com agilidade.
Bom, tudo começou quando conheci uma menina no tinder e de imediato rolou uma reciprocidade no aplicativo. Resolvemos passar a conversa no wpp, se conhecer melhor e até marcar um encontro. Ficamos mais ou menos 1 mês conversando sem parar, até surgir o primeiro desintendimento e logo no dia que ela estava mais sensível. Pedi desculpas pelo que eu fiz, ela me perdoou e fomos voltando ao normal aos poucos, quando me dei conta aquela paixão de antes no tinder virou uma amizade. E ficamos assim mais ou menos uns 3 meses, saímos algumas vezes, mas era só uma amizade. O tempo foi passando e percebia que cada vez mais os nossos pensamentos e ideais se combinavam. Nisso comecei a sentir uma atração forte por ela e um desejo de ficar com ela, de ter ela na minha vida. Fui até ela eu disse o que queria, que queria um relacionamento serio com ela. Porém ela disse que era para a gente ir com calma, sem apressar as coisas e ver no que ia dar. Então eu aceitei a resposta dela e ficamos juntos como ficantes, não era apenas uma amizade, mas também não era um namoro, pois havia sentimentos profundos envolvidos. Depois disso passei a frequentar a casa dela, os pais dela mostravam que gostavam de mim e isso me deixava feliz. Estava tudo lindo e maravilhoso, até eu saber ontem que os pais dela falaram muito no ouvido dela, dizendo que a gente não assumia logo, que eu não queria nada com ela, que por eu não ter faculdade não quero nada com a vida. Logo que ela terminou de falar comigo sobre isso, fiquei chateado e puto ao mesmo tempo.
Se você é pai, cara, aproveita o potencial do teu filho. Para de tentar criar uma blindagem de mundo perfeito pro seu filho, porque o mundo não é perfeito. Essas crianças que apoiam o Bolsonaro por ai, não passam de um bando de frustrado ... É mais do que claro que essa molecada vive sob um estado de blindagem criado pelos próprios pais em seus condomínios fechados (eu tenho certeza disso). Ahh ... não sei nem mais o que escrever ... Perdão pelos erros 'hortográficos', to sem paciência até pra redigir um texto bem elaborado.
Então ela fala para mim que devido a isso ela quer dá um tempo, porque está cansada de ouvir os pais falando no ouvido dela. Eu entendi a situação dela, mas e a minha? Será que ninguém liga para os meus sentimentos? Eu sinceramente não sei o que fazer com essa situação toda. Eu quero ficar com ela, mas parece que está ficando complicado. Adoraria ouvir os seus conselhos em relação a este meu caso. Obrigado a todos que leram!
TL;DR : Eu sinto que as crianças são muito subestimadas, até mais do que deveriam, então resolvi fazer um textão.
*Edit: Ajeitei os parágrafos
submitted by jecagado to circojeca [link] [comments]